PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Janaina Paschoal relata ameaça após chamar bolsonaristas de ignorantes
23/05/2019 16:01 em Política

A deputada chegou a pedir reforço policial na Alesp. Hoje lembrou o convite para ser vice de Bolsonaro e disse que se não fosse boazinha já teria desistido

 

Juliana Cipriani/Site Estado de Minas

Postado em 23/05/2019 11:24 / Atualizado em 23/05/2019 11:58

A imagem da capa do site Multisom foi retirada de arquivos da internet/Google

 

Um dos principais nomes do PSL além do presidente Jair Bolsonaro, a deputada estadual Janaina Paschoal precisou pedir reforço de segurança na Assembleia Legislativa de São Paulo no dia em que fez duras críticas aos apoiadores do governo pelo Twitter. A solicitação foi feita publicamente, durante reunião da Comissão de Constituição e Justiça da Casa, e policiais foram chamados para apurar uma ameaça feita a ela por telefone. 

 

A assessoria da parlamentar disse que não informaria se o reforço na segurança da advogada, que foi uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e só não foi candidata a vice-presidente na chapa de Bolsonaro porque se recusou, é permanente. Mas o fato é que desde que disse ser contrária às manifestações marcadas para este domingo (26) ela se tornou alvo de ataques nas redes sociais.

 

Nesta quinta-feira (23), Janaina voltou a usar o Twitter para desabafar. “Tenho sido chamada de traidora por gregos e troianos. Eu respeito opinião, não vou entrar em confronto”, disse. A parlamentar lembrou ter sido convidada a compor a chapa presidencial e indicou que, se não fosse seu perfil, já teria desistido de apoiar o governo Bolsonaro. “À época das negociações para compor a chapa presidencial, eu ouvi de uma pessoa que gosto muito, que eu não servia para o posto, por ser muito boazinha, muito idealista, muito iluminista, muito defensora do diálogo, muito romântica....Talvez seja. Não fosse, teria desistido”, afirmou.Continua depois da publicidade

 

Ignorância

 

Na quarta-feira, antes de receber o telefonema de ameaça, Janaína Paschoal disse que os bolsonaristas deveriam ler um livro chamado “O imbecil coletivo”, do escritor Olavo de Carvalho. Paschoal disse ser “ignorância” chamar a ela e outros nomes da direita como o deputado federal Kim Kataguiri (DEM)  e o vice-presidente Hamilton Mourão de comunistas. 

 

Janaína disse estar recebendo vídeos detonando Kataguiri e rebateu, dizendo que enquanto pessoas como ela e o deputado federal estavam arriscando suas carreiras, “a maior parte dos bolsonaristas estava fazendo sinal de arminha, arrumando confusão e tirando ‘selfie’”. A parlamentar afirmou ainda que se os apoiadores do presidente lessem e estudassem, como fazem “inclusive os oposicionistas”, ela não precisaria escrever o óbvio.

 

Ofendidos, vários internautas responderam o post com mensagens de crítica, como  as que chamavam a deputada de comunista ou diziam que ela se elegeu com a ajuda dos que fizeram arminha com as mãos. Ela também recebeu elogios pela Tread. 

 

De acordo com a assessoria da deputada Janaina Paschoal, após o relato da ameaça de ontem, a polícia entrou em contato com a pessoa que ligou para ela e ela mudou o tom da conversa. 

 

Sobre as mensagens que tem recebido por causa das manifestações, ela disse não ser contrária, “até por se tratar de uma garantia constitucional”, mas que o clima que se instala na nação a preocupa. Paschoal disse ainda ser favorável à reforma universal da Previdência e que muitos que batem no peito dizendo estar com Bolsonaro não manifestariam essa frase. 

 

Quase vice

 

Durante a pré-campanha de Bolsonaro à Presidência, o então candidato confirmou ter convidado Janaina para ser vice-presidente. Alegando questões pessoais, já que queria ficar em São Paulo, ela negou a participação na chapa e acabou sendo eleita a deputada estadual mais votada do seu estado. 

 

Nos últimos dias, depois da divergência aberta por causa da manifestação a favor de Bolsonaro, ela saiu do grupo de Wats App do PSL, mas negou que vá deixar a legenda.   

 

Quando participou da condução do proceso de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, a deputada também foi alvos de críticas na internet, porém de integrantes da esquerda. 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE